Transtornos psicóticos têm maior incidência em jovens

Em geral, quadros de delírios e alucinações têm início no final da
adolescência e início da vida jovem-adulta

      Os transtornos psicóticos são aqueles que provocam um distanciamento patológico da realidade. O indivíduo apresenta quadros de delírio e alucinações em episódios potencialmente graves. Delírios são crenças patológicas sobre a realidade. Já as alucinações são alterações da percepção, de modo que o paciente ouve vozes e vê coisas sem que haja um estímulo para isso. Na esquizofrenia, o indivíduo passa a ficar mais introvertido, começa a ter uma percepção equivocada do meio em que está e pode, por exemplo, entender que as pessoas estão querendo fazer algum tipo de mal a ele. Já no transtorno afetivo bipolar, os sintomas psicóticos podem aparecer quando o paciente apresenta alteração do humor (depressão ou euforia).

Cansado e deprimido - shutterstock_31980910

   

“Os transtornos psicóticos são manifestações decorrentes de diferentes distúrbios mentais, tais como transtorno bipolar e esquizofrenia. Alguns sintomas iniciais são importantes para se detectar o quadro psicótico e a doença a que está relacionado. A identificação precoce é extremamente importante, pois uma grande parte dos pacientes, se não avaliada e tratada precocemente, logo no início da doença, pode apresentar uma série de problemas como, por exemplo, comprometimentos cognitivos”, afirma o psiquiatra Dr. Quirino Cordeiro, Professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e Chefe do Departamento de Psiquiatria da Instituição.

  “É extremamente importante estar atento aos primeiros sinais porque algumas vezes eles são confundidos como manifestações normais das fases da vida, como a adolescência. A esquizofrenia e o transtorno bipolar, em geral, começam nessa faixa etária, ou seja, no final da adolescência e início da vida adulta jovem, entre 17 e 25 anos. Portanto, é importante que se observe quando o adolescente ou o jovem passa a ficar muito recluso, introvertido, deixando de socializar para ficar isolado em um mundo próprio”, ressalta o professor Quirino.

     Um fator de risco importante associado aos transtornos psicóticos é o uso de maconha. De acordo com o Dr. Quirino Cordeiro, estudos comprovam a relação do uso da droga com o desenvolvimento dessas manifestações clínicas. “Os estudos mostram que usuários regulares da cannabis apresentam três vezes mais chance de desenvolverem transtornos psicóticos. Além disso, essas pesquisas comprovam que a quantidade de uso da maconha afeta diretamente a chance de o indivíduo apresentar a psicose. Ou seja, quanto mais maconha a pessoa usa e quanto mais cedo isso começar, muito maior a chance de desenvolver transtornos psicóticos”, comenta.

    O especialista alerta que é fundamental que o diagnóstico dos transtornos psicóticos seja feito precocemente. Isso porque quanto mais cedo o acompanhamento e tratamento forem iniciados, maiores as chances de que esses indivíduos tenham prognósticos mais favoráveis.